terça-feira, 4 de setembro de 2012

Caderno Afegão

Caderno Afegão é uma obra da jornalista portuguesa Alexandra Lucas Coelho.
O Verão é uma altura particularmente interessante para a leitura de livros de viagens. Foi nesse sentido que investimos na leitura de Alexandra Lucas Coelho, jornalista especialista em crónicas e que tem passado grande parte da sua vida viajando pelo mundo sendo que em muitos casos em lugares tão improváveis como o Afeganistão.
Pese embora o facto de gostarmos particularmente de livros de viagens e de ter sido com esse propósito que iniciámos a leitura das obras de Alexandra Lucas Coelho a verdade é que, à semelhança do seu Viva México, Caderno Afegão não é um livro que se possa inserir nesta categoria. Excelente na crónica e na narração da realidade política, económica e até cultural de um determinado país tal não significa que a autora seja uma escritora de livros de viagem na medida em que as suas obras têm uma fortíssima componente jornalística.
Note-se no entanto que Caderno Afegão é um livro excelente. Dentro do género (e tendo como comparação o outro livro da autora publicado na mesma colecção) este é muito mais interessante e está bastante melhor escrito. Especialmente tocante o capítulo referente ao dia 22 de Junho em que a autora narra a história de uma família afegã que vive numa casa tão pobre «que estrela ovos numa bilha de gás, mas tão rica que lê os filósofos sufis e Wittgenstein.»
Pode acontecer que estejamos a ser um pouco injustos com Alexandra Lucas Coelho ao afirmarmos que não é uma escritora de viagens. A sua viagem ao Afeganistão decorre da sua profissão de jornalista durante o mês de Junho de 2008. Não teve oportunidade de viajar como Bruce Chatwin, Mountstuart Elphinstone, Robert Byron ou Marco Polo e que poder visitar com a mesma tranquilidade o melhor deste histórico país. Daí que este Caderno Afegão seja para além de tudo o resultado de grande mérito e coragem. Não sendo um livro de viagens foi muito mais do que esperávamos.
Caderno Afegão é um grande livro de uma óptima jornalista. Parece-nos que o Afeganistão foi generoso com a autora, nota-se isso na emoção com que escreve sobre o seu povo e as suas rosas. Quem quiser aliar a crónica jornalística (da qual decorre informação relevante sobre o país) com um pouco da poesia da literatura de viagens, encontrará em Caderno Afegão um belíssimo exemplo. Muito recomendado!

Sem comentários: