terça-feira, 21 de agosto de 2012

Foi assim

Foi assim é uma obra de Zita Seabra, dissidente do Partido Comunista Português e actual editora da Alêtheia Editores.
Zita Seabra foi, durante largos anos, relevante figura do PCP tendo sido sua dirigente e deputada depois de aos 17 anos, ainda durante o Estado Novo, ter estado na clandestinidade. Após um processo atribulado foi expulsa do partido tendo, posteriormente, sido eleita deputada nas listas do PSD.
Foi assim é o livro que narra as experiências políticas da autora durante a sua passagem pelo PCP desde a sua mais tenra juventude até ao momento da sua expulsão e um importante contributo para a compreensão historiográfica de um período político muito relevante bem como para a compreensão sobre os métodos e políticas de um partido que exerceu, em especial durante o PREC, um papel de enorme proeminência na realidade político-social portuguesa.
Zita Seabra não é uma grande escritora e isso fica claro ao longo das mais de 400 páginas deste livro não só porque a sua escrita não é apaixonante mas também porque, demasiadas vezes, se perde na narrativa repetindo problemáticas quando a repetição não faz grande sentido. Desta forma, o valor de Foi assim não é o de um grande romance, o de um extraordinário livro de ensaio ou sequer o de uma grande auto-biografia. Tal não significa que o seu valor, enquanto instrumento para a construção da história deva ser menorizado. Muitas vezes, quando se fala ou escreve sobre a organização interna do PCP, é difícil encontrar a verdade porque o contraditório não é feito ou porque aqueles que se pronunciam sobre essa realidade são menosprezados. Não saberemos, portanto, se todos os, muitos, factos apresentados são ou não fiéis à realidade mas pelo menos poderão ajudar a compreender o que se passou.
Foi assim não é um grande livro mas é uma obra extremamente interessante, nomeadamente para todos aqueles que gostam de história e de política. Recomendada, especialmente, para estes.

Sem comentários: