domingo, 29 de julho de 2012

A Jangada de Pedra

A Jangada de Pedra é um romance do Nobel português José Saramago.
Ao longo dos últimos anos temos tido a oportunidade de ler a obra de Saramago que pela sua originalidade e facilidade de leitura e compreensão (embora muitas vezes o autor recorra à metáfora e à parábola como instrumento de transmissão da mensagem) têm representado fonte de boas leituras.
A Jangada de Pedra é um livro que está bem dentro da linha daquilo que são os romances de Saramago. A ideia de que a Península Ibérica se separa do resto da Europa e que vagueia pelo Atlântico é bastante interessante bem como as personagens que vão dando vida às páginas da obra.
Na badana do livro inclui-se um pequeno texto do autor que pretende, talvez, explicar a obra. Aí se refere que a Península se desloca «a caminho de uma utopia nova: o encontro cultural dos povos peninsulares com os povos do outro lado do Atlântico, desafiando assim, a tanto a minha estratégia se atreveu, o domínio sufocante que os Estados Unidos da América do Norte vêm exercendo naquelas paragens…» Não obstante a enunciação deste princípio de cariz político e do mesmo resultar da pena do autor temos de confessar que não encontrámos elementos, no livro, suficiente que pudessem demostrar que o autor atingiu o seu propósito. A ideia a estar consagrada na obra seria deveras interessante mas traçaria, certamente, um outro romance bem diferente do escrito.
No livro encontramos, no entanto, numerosos pontos de interesse, quer seja no adultério ou divórcio, quer na reflexão sobre a natureza da solidão e na necessidade existencialista do encontro do verdadeiro «eu».
A escrita de Saramago é muito rica, repleta de adágios populares que conferem aos seus romances uma proximidade grande face ao normal leitor. Em A Jangada de Pedra essa natureza popular da escrita do autor português está bem vincada.
A Jangada de Pedra é um excelente livro e as suas quase 450 páginas lêem-se com facilidade e prazer. Este é uma obra bastante aconselhada.

3 comentários:

Miguel Pestana disse...

Espero vir a ler este livro um dia. saramago tem uma obra vasta e rica, que é difícil fazer uma escolha prioritária.

450 paginas? não fazia ideia deste número a este livro.

Filipe de Arede Nunes disse...

Não li todos os livros de Saramago, longe disso. Dos que li, aconselho em primeiro lugar o Ensaio sobre a Cegueira.

Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Tiago M. Franco disse...

Saramago continua a ser grande...