quarta-feira, 9 de maio de 2012

Nome de Toureiro

Nome de Toureiro é um peculiar livro do escritor chileno Luis Sepúlveda. Luis Sepúlveda é um dos nossos escritores favoritos e um daqueles cuja obra começámos a ler mais cedo, ainda na nossa adolescência. Obras como História de uma gaivota e do gato que a ensinou a voar, O velho que lia romances de amor, As Rosas de Atacama ou Patagónia Express são algumas das mais belas que conhecemos e reflexo evidente de um talento genial de homem que não é apenas um grande contador de histórias mas um dos maiores escritores vivos. Estamos em crer que Sepúlveda, talvez ainda mais do que outros escritores, é um homem profundamente influenciado pelas suas vivências. Comunista na sua juventude esteve ao lado de Salvador Allende até ao golpe militar de Pinochet no início dos anos setenta. A sua saída forçada do Chile fê-lo correr meio mundo.
A generalidade das suas obras – pelo menos daquelas que conhecemos – fazem transparecer um excelente narrador de viagens bem como uma simplicidade aterradora da sua escrita e que se espelha no sucesso dos seus livros. Essa clareza é, provavelmente, um dos maiores atributos da sua escrita.
Nome de Toureiro faz-nos viajar ao mundo pós-queda do Muro de Berlim a uma sociedade de indivíduos marginais mas curtidos pela experiência na arte da guerra, numa demanda por um tesouro furtado durante a Segunda Guerra Mundial e que viaja até ao Chile. Interessante verificar os dilemas morais das diversas personagens e a inclusão, no mundo do romance, de indivíduos habitualmente relegados para outras artes.
Nome de Toureiro é um livro de fácil leitura. Sepúlveda, sendo um homem do mundo, letrado e conhecedor dos mais profundos confins da literatura não escreve – e ainda bem – como um snob. Este é um excelente livro, que se lê de um folego e que nos transporta ao maravilhoso universo da melhor literatura da actualidade.

1 comentário:

Tiago M. Franco disse...

Na verdade não gostei muito deste livro.
Dos livros que li de Sepulveda os melhores foram História do Gato que Ensinou a Gaivota a Voar e O Velho que Lia Romances de Amor.